Pesquisa: mulher que usa roupa curta pode motivar estupro

Brasil e Mundo Brasil A- A+ 28/03/2014 Foto(s): Gettyimages
Pesquisa: mulher que usa roupa curta pode motivar estupro

Imagem meramente ilustrativa

Cultura machista está impregnada na sociedade brasileira, diz socióloga

Ana Cristina Campos
Repórter da Agência Brasil 


A revelação de que a maioria dos brasileiros concorda que o comportamento da mulher pode motivar o estupro comprova que a cultura machista está impregnada nos homens e nas mulheres da sociedade brasileira, segundo a socióloga e integrante do Colegiado de Gestão do Centro Feminista de Estudos e Assessoria (Cfemea), Nina Madsen. A pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostrou que 58,5% dos entrevistados concordaram totalmente ou parcialmente com a frase "Se as mulheres soubessem como se comportar, haveria menos estupros".

Os pesquisadores também avaliaram a seguinte frase: "Mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas". O levantamento mostrou que 42,7% concordaram totalmente com a afirmação e 22,4% parcialmente; 24% discordaram totalmente e 8,4% parcialmente. Das 3.810 pessoas entrevistadas, 66,5% eram mulheres.

“Nossa sociedade é violenta contra as populações marginalizadas e as mulheres compõem essa população. A culpa da violência sexual nunca é das mulheres. Temos que educar os meninos a não estuprar. Hoje eles aprendem que uma menina que se veste de uma determinada forma está provocando e que eles têm uma pretensa autorização para fazer uso daquele corpo que está sendo exposto. Temos que interferir nesse processo”, disse Nina.

Maioria acredita que mulher tem responsabilidade em casos de estupro, diz Ipea
Para a socióloga, os parâmetros educacionais e culturais precisam ser modificados. “É preciso atuar com muita força e continuidade na mudança cultural e a educação formal tem que incorporar os conteúdos que dizem respeito aos direitos das mulheres e à igualdade de gênero”, acrescentou.

Nina ressalta que o novo Plano Nacional de Educação (PNE), que está tramitando no Congresso, prevê uma educação voltada para a promoção da igualdade de gênero. No entanto, diz a socióloga, esse princípio está sendo questionado por grupos conservadores, sobretudo pela bancada evangélica, que querem retirá-lo do texto.

“Os grupos conservadores estão numa campanha ferrenha para que isso seja eliminado do texto do plano. Eles estão combatendo o que chamam de uma ideologia de gênero. Isso é um retrocesso gravíssimo. Se o governo permitir que isso aconteça estará sendo conivente com essa cultura do estupro revelada nesses dados que o Ipea apresentou”, disse Nina.

Outra pesquisa do Ipea revela que a maioria das vítimas de estupro é mulher, sendo 70% crianças e adolescentes. “A escola é espaço estratégico porque tem centralidade na vida dos jovens. É um espaço de proteção e que aciona o Estado. Por isso, precisa ser um lugar que se estruture em torno dos princípios da igualdade de gênero, dos direitos das mulheres e das crianças e adolescentes”, destacou a integrante do Cfemea.

A presidente Dilma Rousseff defendeu hoje (28) “tolerância zero" à prática deste tipo da violência contra a mulher. “Pesquisa do Ipea mostrou que a sociedade brasileira ainda tem muito o que avançar no combate à violência contra a mulher. Mostra também que governo e sociedade devem trabalhar juntos para atacar a violência contra a mulher, dentro e fora dos lares”, escreveu Dilma, em sua conta no Twitter. 

2 Comentários

  1. 2 pessoas gostaram Gostei

    Cresce o cinismo, o nascisimo e a infindável lista de parafílicos. As influências de modismos de gente esquizofrênicas que criam frases como: “ O que é bonito é para se mostrar” isso interessa ao procófilo. Em outros tempos e lugares quem usava saias era o homem, será que ele perdeu a beleza ? A própria natureza apresentam os machos com mais explendor, ,o pavão macho mostra seu leque de plumagem, a fêmea tem só uma corzinha brega, a natureza é machista ? As feministas acham os homens de academia malhados bonitos, será que elas querem que mostrem as partes íntimas malhadas ? Essa sensualidade é safadeza das feministas. Quando ocupam o poder ficam criando leis particulares e de privilégios, querendo garantir coisas que apenas existe na sua imaginação como libertinagem sexual, a curtição sem medidas. Na verdade só homens tem essas depravações.

  2. 2 pessoas gostaram Gostei

    O homem é um aglomerado de agentes químicos reacionários como TNT.. Não é o estopim que causa explosão, mas a bomba, então uma semi-nua exibicionista sarcástica e sínica que fica dançando o funk sem calcinha está apenas acendendo o pavio, logo vai embora e a bomba (estupro) recai sobre outra pessoa que estiver passando perto do “excitado” de forma que a estatística correta é que 90% da culpa dos estupros são das provocadoras sensuais dos agentes BBBs, novelas, filmes e musicais pornôs. O grande culpado é o governo ateu, omisso, prevaricador, ímprobo e corrupto que veladamente diz: Me importa só o voto por isso permito tudo e dou bolsas e cotas para bandidos e vagabundos, a cesta eleitoreira inclui pão, circo, orgia de carnaval, impunidades, idolatrias em estado laico, etc. CF art. 221,227 Crianças estão expostas desde cedo aos assédios sexuais via musicais interativos pornôs dos carros pelas ruas e na escola Darwin fica ensinando as crianças que são animais, macacas, cadelas e veados. Deus ensina que não somos animais. Salmos 82:6,I Cor. 15:39,Mt. 19:6, etc.

Comente esta notícia

Não serão publicadas mensagens/comentários que desrespeitem a lei, apresentem linguagem ou material obsceno ou ofensivo, sejam de origem duvidosa, tenham finalidade comercial ou não se enquadrem no contexto da matéria comentada. A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do GCN Comunicação e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Seu comentário não será liberado instantaneamente. Antes, passará por análise da editoria on-line do portal.

*

*

*

Li e concordo com o código de conduta online.