Mulheres mantidas em cativeiro por 10 anos são achadas nos EUA

Brasil e Mundo Internacional A- A+ 07/05/2013 Autor(a): Sidnei Ribeiro Função: Editor do Caderno Brasil

Três mulheres que estavam desaparecidas havia cerca de uma década foram encontradas ontem, 6, numa casa nas proximidades do centro de em Cleveland, no estado de Ohio (EUA). Segundo a polícia, Amanda Berry, Gina DeJesus e Michelle Knight devem ter sido mantidas amarrafas. As mulheres pareciam saudáveis e foram levadas para o hospital para avaliação e em seguida encontram seus familiares. Além das três mulheres, a polícia informou ainda que foi encontrada uma menina de cerca de seis anos, filha de Amanda Berry.
Tudo começou quando Amanda (que desapareceu em abril de 2003, aos 16 anos) conseguiu chamar a atenção de Charles Ramsey, vizinho à casa onde ela permaneceu 10 anos refém. “Eu ouvi gritos”, disse ele. “Saí e vi a garota tentando desesperadamente sair da casa.” Anna Tejeda, que mora do outro lado da rua, disse que Berry estava nervosa, chorando e parecia estar vestindo pijama e sandálias velhas depois de derrubar a tela da porta e escapar para chamar a polícia.
Ao falar com a polícia, Berry declarou: “eu sou Amanda Berry. Estou no noticiário há 10 anos”. Ela disse que tinha sido sequestrada e implorou que os policiais fossem até a casa, no lado oeste de Cleveland, antes que seu sequestrador voltasse. “Eu fui sequestrada e estou desaparecida há 10 anos”, afirmou ela na ligação para o número da emergência nos EUA (911). “Estou aqui. Estou livre agora.” Outra das vítimas encontradas na casa, Gina DeJesus desapareceu aos 14 anos quando voltava da escola para casa, em 2004. Elas foram encontradas a poucos quilômetros de onde desapareceram. A polícia informou que Knight desapareceu em 2002 e agora tem 32 anos.
De acordo com uma fonte policial, Amanda Berry, Georgina DeJesus e Michelle Knight teriam dado à luz pelo menos cinco bebês na casa. No entanto apenas a garota de 6 anos, que seria filha de Amanda com o sequestrador Ariel Castro. A polícia americana prendeu os irmãos Ariel, de 52 anos, Pedro, 54, e Oneil Castro, 50, acusados pelo sequestro das três mulheres. Os irmãos foram presos com base nas informações dadas aos investigadores pelas vítimas.

DÚVIDAS
A polícia está interrogando nesta terça-feira nos Estados Unidos três irmãos por sua relação com o desaparecimento de três mulheres que ficaram entre 9 e 11 anos desaparecidas, e que ontem conseguiram escapar. As autoridades tentam determinar como após uma década os moradores do bairro onde estava a casa, propriedade de um dos detidos, não suspeitaram nada e os sequestros passaram despercebidos.
O agente especial do FBI encarregado do caso, Stephen Anthony, disse hoje em entrevista coletiva que “essas três meninas mostraram a última definição de sobrevivência e perseverança. Agora começa o processo de cura”. A polícia da cidade de Cleveland, com o apoio do FBI, continua a investigação e a revista da casa, que fica em um bairro com grande presença de hispânicos, e as autoridades preparam a apresentação formal de acusações contra os três detidos.
Os vizinhos entrevistados por veículos da imprensa local permanecem em choque e garantem que em nenhum momento suspeitaram que Castro e seus irmãos pudessem ser os responsáveis pelos sequestros. O prefeito de Cleveland, Frank Jackson, disse que há “muitas perguntas sem resposta”, como os motivos de as três jovens terem sido sequestradas e, sobretudo, por que os vizinhos não perceberam que havia três pessoas presas na casa durante tantos anos.

Comentário

Comente esta notícia

Não serão publicadas mensagens/comentários que desrespeitem a lei, apresentem linguagem ou material obsceno ou ofensivo, sejam de origem duvidosa, tenham finalidade comercial ou não se enquadrem no contexto da matéria comentada. A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do GCN Comunicação e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Seu comentário não será liberado instantaneamente. Antes, passará por análise da editoria on-line do portal.

*

*

*

Li e concordo com o código de conduta online.